HOME EMPRESA SERVIÇOS JOGADORES NOTÍCIAS CONTATO

 

Brasileiro chegou em um dia, no outro já teve que marcar Cristiano Ronaldo e ainda tirou onda com o português
 
22/02/2020

O zagueiro Igor Júlio teve uma experiência inusitada no começo deste mês. Um dia após ser contratado pela Fiorentina, ele estreou contra a poderosa Juventus de Cristiano Ronaldo na derrota por 3 a 0.

"Só pensava no que iria fazer no jogo porque é o tipo de equipe que se você erra é fatal. Eu não fiquei assustado porque queria jogar o quanto antes. Fiquei muito feliz e um pouco ansioso para entrar em campo e aproveitar a chance. Foi uma surpresa grande em poder jogar", disse, ao ESPN.com.br.

Revelado pelo Red Bull Brasil, o jogador de 22 anos teve passagem pelo Red Bull Salzbug (times A e B) e se destacou pelo Austria Viena antes de ser contratado pela Spal, no qual permaneceu por apenas seis meses antes de ir para o time de Florença.

Neste sábado, Igor espera estar em campo pela Viola, que enfrentará o Milan pelo Campeonato Italiano no estádio Artemio Franchi, às 17h45 (de Brasília).

Veja a entrevista com Igor Júlio:

Como foi sua carreira até chegar ao Red Bull? Onde fez testes?
Fiz testes no Flu, Bahia, Coritiba, Grêmio e no Atlético-MG, no qual passei por oito meses. Depois, passei pela Portuguesa Santista até chegar ao Red Bull Brasil. Foi aonde tudo começou a dar certo na minha vida. Aprendi um estilo de jogo europeu mesmo estando no Brasil. Conquistei muitas coisas na base e recebi muitos elogios. Só tenho que agradecer. Todo ano fazíamos torneios fora do país. Fomos campeões na Holanda e na Alemanha. Era muito bom para a gente jogar contra os times da Europa.

Como foi para a Europa?
Pela parceria que os clubes da Red Bull têm pelo mundo. Eu estava com 17 anos me destacando pelo sub-20. Nisso, o scout do Red Bull Salzburg gostou do meu futebol e da minha personalidade. Surgiu o interesse em me levar para lá.

Quais as maiores dificuldades?
As maiores dificuldades foram o frio e o futebol, que é totalmente diferente. É muito corrido, não é todos os times que tentam manter a posse de bola. É muita força. Também não foi fácil morar sozinho em um alojamento, mas fui me acostumando.

Como foi vencer a Champions League sub-19 contra os maiores times do mundo?
Foi um dos dias mais felizes da minha vida e uma das coisas mais marcantes que passei. Jogamos contra grandes times. Ninguém acreditava na gente. Para ser sincero, acho que ninguém nos conhecia (risos). Passamos por Manchester City, Barcelona, Atlético de Madrid e o Benfica na final. Foi uma coisa incrível. Até para a cidade foi histórico. Quando nos classificamos nos pênaltis contra o City no mata-mata eu fui o primeiro a bater e errei! Mandei na trave, mas ninguém se abateu. O goleiro pegou dois pênaltis depois. Nós comemoramos muito o título porque era muito importante. Foi o auge para a gente da base.

Como foi a passagem pela Áustria?
Foi muito boa e me ensinou muito. Joguei no começo no time B do Salzburg e tive que aprender a ser forte e a querer trabalhar para jogar. O treinador não me dava chances de jogar. Me emprestaram para dois times e comecei a jogar como profissional. Ganhei experiência e dei meus primeiros passos. Tenho lembranças boas.

Como foi parar na Spal, da Itália?
Eu estava me destacando pelo Áustria Viena quando meu empresário me disse que a Spal, da Itália, estava interessada em mim. Eu queria jogar em um campeonato muito forte e topei na hora. Sou muito grato por tudo que vivi na Spal, onde fiz muitas amizades e fui feliz. Foram só seis meses, mas foi um período muito importante.

Você foi contratado pela Fiorentina e já estreou no dia seguinte contra a Juventus...
Eu tinha acabado de assinar contrato e sabia que iria jogar contra a Juventus, que é muito difícil. Ainda tinha o Ronaldo na frente, é uma sensação de felicidade e ao mesmo tempo precisa estar concentrado o máximo possível. Só pensava no que iria fazer no jogo porque é o tipo de equipe que se você erra é fatal. Eu não fiquei assustado porque queria jogar o quanto antes. Fiquei muito feliz e um pouco ansioso para entrar em campo e aproveitar a chance. Foi uma surpresa grande em poder jogar.

Foi difícil a partida? Você teve que marcar o Ronaldo...
Foi um jogo muito bom e tivemos chance de começar ganhando, mas contra time grande não pode vacilar. Eles fizeram dois gols de pênaltis e isso foi fatal porque é um time que tem muita qualidade. Jogar contra o Ronaldo tem que ter uma atenção maior. Uma hora ele veio reclamar que eu tinha feito pênalti e tal. Eu respondi que tinha VAR, e que se o VAR não deu é porque não foi nada (risos). O Ronaldo deu uma risada e um tapinha nas minhas costas. Não tem muita conversa durante o jogo porque é preciso ter concentração para não errar.

Trocou camisa?
Eu tinha ganho a camisa do Ronaldo quando estava na Spal, mas como a Fiorentina tem muita rivalidade com a Juventus eu não peguei desta vez. Os torcedores enxergam esse jogo como um clássico. Era meu primeiro jogo e preferi não fazer isso senão ia ser olhado como uma atitude errada minha. Não seria bom.

Agora o desafio é contra o Milan. Já está preparado para marcar o Ibra?
Sabemos da qualidade do Milan e todos conhecem o time deles. Principalmente com i obra, que é um jogador fira do normal. Não pode vacilar ou dar espaço porque faz gol. Basta um erro e você perde três pontos. Vamos jogar em casa e precisamos ganhar. Se eu jogar, será mais um sonho realizado. Atuar contra o Ibra, que é um cara que jogo no videogame.

A Fiorentina tem muita tradição na Itália e teve vários jogadores brasileiros...
Tem momentos que me pergunto se tenho noção do tamanho da Fiorentina e dos jogadores que atuaram por aqui! Estou tentando aproveitar o máximo para aprender. É uma história muito grande na Itália. Teve Sócrates, Edmundo e outros.

Quais os objetivos do clube?
Queremos nos manter na Série A e precisamos pontuar o máximo possível. Depois, tentar buscar uma vaga na Europa League. Sabemos da dificuldades, mas temos qualidade para isso.

O que você projeta na carreira?
Quero trabalhar bastante e me aprimorar muito no time e pegar o máximo de informação. Quero aproveitar as oportunidades e voltar mais forte na próxima temporada e brigar pela titularidade. Quero jogar e sempre estar subindo de nível.

Comentários

 

Attacantti - Todos os direitos reservados HOME EMPRESA SERVIÇOS JOGADORES NOTÍCIAS CONTATO